Santa Clara de Assis, padroeira da televisão

Clara   nasceu no ano de 1194, em Assis, na Itália. Filha de conde, de família nobre, Clara vivia em um palácio na cidade, no entanto, nunca muito apegada às posses, abriu mão de tudo aquilo que tinha e doou seus bens aos pobres, quando fugiu aos 18 anos, com uma amiga para encontrar São Francisco de Assis e adentrar o convento como sua discípula.

      A família de Clara tentou buscá-la, mas ela se recusou a voltar, mostrando os cabelos já cortados em sinal de devoção. Sua irmã, Catarina, aos 15 anos de idade, também foge para o convento e mais uma vez a família tenta buscá-la à força. Clara, ao ver o sofrimento da irmã que era carregada amarrada de volta pra casa, pede ao Pai Celeste que intervenha e então, a menina torna-se tão pesada que ninguém era capaz de movê-la.

Um de seus milagres mais expressivos se passou durante a invasão muçulmana a Assis, quando os sarracenos tentaram invadir o convento das Clarissas. Santa Clara pegou o ostensório com o Santíssimo Sacramento e proclamou aos invasores que Cristo era mais forte que todos eles. Então, inexplicavelmente, todos, tomados de grande medo, fugiram sem saquear o convento. Por isso, em sua imagem, Santa Clara de Assis é representada com suas vestes marrons segurando o ostensório.

Um ano antes de sua morte, Santa Clara desejava muito ir a uma missa na Igreja de São Francisco, este já falecido. Não tendo condições devido a seu estado de saúde, orou, e de seu leito no convento, assistiu toda a celebração. Segundo seus relatos, a Missa aparecia para ela como que projetada na parede de seu humilde quarto. O fato foi confirmado quando ela relatou fatos acontecidos durante a missa, detalhando palavras do sermão do celebrante. Dessa forma, em 14 de fevereiro de 1958, o Papa Pio XII proclamou oficialmente Santa Clara de Assis como a padroeira da televisão.

Santa Clara faleceu no dia 11 de agosto de 1253, aos 60 anos de idade e como seu legado deixou as Clarissas, com conventos espalhados por diversos lugares da Europa, voltados para a oração e ajuda aos mais necessitados. Santa Clara também escreveu a Regra para as Mulheres Religiosas, um manual de como viver a vida de acordo com as propostas de São Francisco de Assis, aplicada a todas as monjas.

Sua canonização foi oficializada pelo Papa Alexandre IV, no ano de 1255, dois anos após sua morte.

 

Por Maria Clara Roveri

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp