Nossa Senhora Aparecida

Nossa Senhora Aparecida


A aparição da imagem ocorreu em 1717, época das Capitanias Hereditárias. O governante das capitanias de São Paulo e Minas de Ouro estava de passagem pelo Vale do Paraíba, mais precisamente por Guaratinguetá. Animados com a visita, o povo daquela localidade resolveu fazer uma festa de boas-vindas e para isso chamaram três pescadores, Domingos Garcia, João Alves e Filipe Pedroso para lançar as redes no rio e pescar bons peixes.

O fato era que, naquela época, meados de outubro, não era tempo de peixes. Porém, como não podiam contradizer o pedido, rezaram pela proteção e benção da Virgem Maria e de Deus para que pudessem voltar à terra firme com fartura. Depois de inúmeras tentativas sem sucesso, eis que surpreendentemente eles pescaram o corpo de uma imagem. Curiosos, lançaram novamente as redes e “pescaram” uma cabeça que se encaixou perfeitamente ao corpo. Depois deste encontro, que nos dias de hoje é representado em todo o Brasil no dia 12 de outubro emocionando os fiéis, o barco se encheu tanto de peixes que ele quase virou!

A partir daí, a devoção da Santa foi se espalhando. Primeiro nas casas, depois se construiu uma capela, depois uma basílica, até chegar ao quarto maior santuário do mundo, o Santuário Nacional de Aparecida localizado na cidade de Aparecida, interior do Estado de São Paulo.

Devoção nacional

E como foi que a santinha foi parar no rio?

Conforme aponta o jornalista Rodrigo Alvarez no livro Aparecida – A Biografia da Santa que Perdeu a Cabeça, Ficou Negra, Foi Roubada, Cobiçada pelos Políticos e Conquistou o Brasil, o mais provável é que alguém a tenha descartado porque ela estava quebrada – e muitos acreditam que ter uma imagem quebrada de santo pode dar azar.

Já a cor original da santa muito provavelmente não era negra. Ficar anos sob as águas deve ter tornado a imagem escura tal e qual a conhecemos.

De acordo com especialistas, entretanto, a devoção a Nossa Senhora Aparecida demorou para se espalhar em todo o Brasil. Para o teólogo e filósofo Fernando Altemeyer Júnior, professor de Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e autor de um capítulo de livro que a Editora Paulinas prepara sobre a devoção mariana no Brasil, esta fama de Nossa Senhora Aparecida se espalhou mesmo com o trabalho realizado pelos missionários da Congregação Redentorista, que iniciaram os serviços em Aparecida em 1895.

“Lentamente, a devoção popular acabou assumida pela Igreja Católica. O fervor foi amplificado com a chegada dos redentoristas e, depois, com a construção da Rodovia Dutra. Estrategicamente, Aparecida fica no meio das duas metrópoles, Rio e São Paulo”, aponta o teólogo. “Antes, a devoção estava concentrada no Vale do Paraíba e Sul de Minas.”

Antiga Igreja de Aparecida: Dom Pedro teria visitado capela onde a santa estava exposta em 1822, em uma viagem entre o Rio de Janeiro e São Paulo que acabaria terminando com a declaração da Independência do Brasil

“Havia uma devoção, mas não em nível nacional, como hoje”, diz o historiador e pesquisador Paulo Rezzutti.

No seu livro D. Pedro: A História Não Contada, ele relata que o próprio primeiro imperador do Brasil visitou a igrejinha onde a santa estava exposta. Aparecida foi uma das paradas do percurso que Pedro fez, a cavalo com uma comitiva, entre Rio e São Paulo, em agosto de 1822.

Viagem esta que acabaria terminando com a declaração da Independência do Brasil, às margens do rio Ipiranga.

Memorialistas populares afirmam que o monarca teria feito uma promessa ali: se ele se tornasse governante do Brasil, transformaria Nossa Senhora na padroeira do país.

Isto nunca ocorreu. “Em 1826, o Brasil ganhou seu primeiro padroeiro: São Pedro de Alcântara, por solicitação de dom Pedro 1º ao papa”, conta Rezzutti. “Esse santo era de devoção particular da família imperial. É de onde vem o nome Alcântara, que está no nome completo tanto de Pedro 1º quanto de Pedro 2º.”

 

Para o pesquisador e estudioso de santos José Luís Lira, fundador da Academia Brasileira de Hagiologia, a devoção a Nossa Senhora Aparecida só ultrapassou os limites da então Vila de Santo Antônio de Guaratinguetá, região da descoberta da imagem, quando começaram a se espalhar as histórias de milagres.
Vejamos alguns deles:

Segundo relata a história de Fé, em um dos momentos de devoção dos primeiros devotos de Nossa Senhora Aparecida, as velas que iluminavam o local repentinamente se apagaram. As pessoas ficaram atônitas com o ocorrido e começaram a entrar em pânico. Mas passado pouco tempo, as velas milagrosamente acenderam-se novamente ao bater do vento.

Como se sabe, o encontro da imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida aconteceu em um momento triste da história do Brasil: a escravidão. O povo negro sofria nas mãos dos donos das terras. A “Mãe negra” veio para dar uma lição de vida e amor ao próximo.
Foi o que aconteceu com o escravo Zacarias, que havia fugido de uma fazenda do Paraná e era caçado por todos os cantos, até ser encontrado no Vale do Paraíba.
Preso, Zacarias acorrentado nos pulsos e nos pés. O caminho de volta passava próximo à capela que havia sido construída para a imagem de Nossa Senhora Aparecida.
Então, o escravo pediu permissão ao seu caçador para rezar diante da imagem.
Incrédulo, o caçador deixou. A fé de Zacarias foi tamanha que milagrosamente as correntes se romperam, deixando-o livre. Diante do milagre, o caçador acabou por libertá-lo.

Visitar o Santuário Nacional de Aparecida é uma viagem emocionante, principalmente quando se entra na Sala dos Milagres, onde milhões de histórias de graças alcançadas se concentram.

O simples fato de olhar a Basílica, a primeira grande igreja erguida em Aparecida em devoção a Nossa Senhora Aparecida, também é motivo de milagre e foi o que aconteceu a uma menina cega que passava em frente à Basílica com sua mãe. Ao se aproximar, a garota disse “Mãe, como aquela Igreja é bonita”, e o milagre havia acontecido. 

Um rio que pode trazer a salvação por meio do encontro de uma imagem, também pode trazer o risco da morte. Foi o que aconteceu na história de mais um milagre de Nossa Senhora Aparecida.

Um dia, pai e filho foram pescar. A correnteza estava muito forte, o que faz com que o filho, que não sabia nadar, caísse no rio e fosse levado cada vez mais rápido.

O desespero do pai levou-o a rezar a Nossa Senhora Aparecida. E mais uma vez a “Mãe negra” ouviu: o corpo do garoto, de repente, parou de ser levado, mesmo com a correnteza ainda forte, até que o pai pudesse chegar perto e salvar o filho.

Voltando de um dia negativo de caça, um caçador viu-se em uma situação perigosa: deparou-se com uma enorme onça. Sem munição, porque havia usado tudo em suas tentativas frustrantes ao longo do dia, o homem ajoelhou-se, rezou e foi atendido: a onça, que antes parecia ter um alvo certeiro, desviou-se e foi embora.

Outro relato lembrado por Lira diz respeito à neta de dom Pedro 1º, a princesa Isabel.
“Em 1868, conta-se que ela foi a Aparecida pedir proteção de Nossa Senhora Aparecida para conseguir ter um filho. Já estava casada há quatro anos, sem conseguir engravidar”, conta o hagiólogo. “Em 1874, Isabel teve uma criança, natimorta, e, entre 1875 e 1878, teve três filhos, que garantiriam a sucessão imperial.”

Em novembro de 1888, um ano antes da Proclamação da República do Brasil, a princesa teria retornado para Aparecida. Levou uma doação preciosa, conforme afirma Lira: uma coroa de ouro cravejada de diamantes e rubis e um manto azul.

Esta coroa seria utilizada em 1904 em uma cerimônia oficial. “Um representante do papa a coroou oficialmente Rainha do Brasil”, diz o pesquisador Rezzutti.

Segundo ele, isto pode ter ocorrido pela influência de Isabel junto ao Vaticano. “Ela tinha muito contato com a cúpula da Igreja. E isto se reforçou durante seu exílio na Europa, quando a família imperial foi obrigada a deixar o Brasil, depois da República. Foi muito simbólico a princesa, herdeira do trono e da coroa imperial – que nunca usaria – doar uma coroa para a ‘rainha do Brasil’. De certa forma, é como se ela transferisse sua coroa para a santa.”

Mas essa coroação não fez de Nossa Senhora automaticamente a padroeira do Brasil.

Oficialmente, isso só ocorreria em 16 de julho de 1930, por decreto do Papa Pio 11. Conforme contextualiza Altemeyer, havia uma pressão grande das arquidioceses tanto do Rio quanto de São Paulo para que o Vaticano formalizasse tal reconhecimento. Desde então, São Pedro de Alcântara passou a ser considerado “nosso segundo padroeiro”, como explica Lira.

“O ato do pontífice legitimava o que o próprio povo brasileiro já havia consagrado no coração. No decreto, o santo padre afirmou que atendia ao pedido do episcopado e do povo brasileiro, ‘o qual com fervor e piedade constantes, desde os anos do descobrimento das regiões brasílicas até nossos tempos, tem venerado e venera a Imaculada Virgem Mãe de Deus'”, conta Altemeyer.

No ano seguinte, em 31 de maio de 1931, uma missa solene ocorreu no Rio de Janeiro, então capital federal, para oficializar o decreto. “Para a ocasião, a imagem da santa foi levada em romaria de Aparecida até o Rio”, ressalta o teólogo.

O vermelhinho no calendário, entretanto, viria apenas 50 anos mais tarde. A declaração de feriado nacional foi sancionada pelo presidente João Figueiredo, o último presidente da ditadura militar do Brasil, em 30 de junho de 1980, exatamente no dia em que o país recebeu a visita de João Paulo 2º, primeiro papa a pisar em terras nacionais.

A partir daquele ano, portanto, ficou “declarado feriado nacional o dia 12 de outubro, para cultura público e oficial a Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil”, conforme o texto da lei.

“Desde então, houve muitos questionamentos acerca da lei, por conta de o Estado ser laico e da separação entre Igreja e Estado promovida pela República”, comenta Lira.

“Eu não vejo controvérsia. Nossa Senhora Aparecida é reconhecidamente participante do imaginário brasileiro, da vida brasileira. Se feriamos, por exemplo, o dia da morte de uma personalidade histórica que às vezes não alcança o percentual significativo da nação e lhe prestamos homenagens públicas, por que não homenagear a padroeira e feriar o dia a ela dedicado?”

Há, entretanto, uma curiosidade histórica. De acordo com os relatos antigos, a imagem de Nossa Senhora foi encontrada no Rio Paraíba do Sul na segunda quinzena de outubro de 1717 – não poderia ter sido, portanto, no dia 12. Muitos acreditam que a data exata tenha sido dia 17.

Por que então entrou para a história o dia 12 de outubro?

De acordo com historiadores, a escolha da data não foi algo aleatório, mas sim uma decisão simbólica. O 12 de outubro já era um dia importante. Foi em 12 de outubro – de 1492 – que Cristóvão Colombo aportou no continente americano. E foi em 12 de outubro – de 1822 – que dom Pedro 1º acabou aclamado imperador do Brasil.

Pedro 1º, aliás, nasceu em um 12 de outubro, em 1798.

Não há um número consolidado sobre quantas igrejas dedicadas a Nossa Senhora Aparecida existem no Brasil, mas certamente se trata da santa de maior devoção popular no país.

“É muito difícil uma diocese brasileira que não tenha pelo menos uma paróquia dedicada à padroeira do Brasil”, resume Lira. “Capelas, então, são inúmeras.”

O pesquisador também acredita que a devoção à santa venha aumentando nos últimos anos graças à profusão de canais de TV e espaços na internet e redes sociais dedicados a espalhar a fé católica. “Há uma valorização da padroeira”, acredita ele.

Lira ainda frisa a importância de Nossa Senhora Aparecida ser negra, à imagem de boa parcela da população brasileira.

“Nas aparições de Maria Santíssima que foram aprovadas pela Igreja, vemos que Nossa Senhora se tornou semelhante ao povo do local de aparição, o que nos remete ao texto bíblico: fomos feitos à imagem e semelhança do Pai do Céu. Aqui, a imagem veio com a cor de uma raça sofrida, pequenina, mas, com um sorriso esboçado. Tem nosso cheiro, nossa terra, nossa cor miscigenada”, aponta o hagiólogo.

Reportagem publicada originalmente em 10 de outubro de 2018