História de São João, o Batista

João Batista, nasceu seis meses antes de Jesus, na Judéia. Era filho de Zacarias e Isabel, prima de Maria. Seu nascimento foi um milagre, pois seus pais já estavam em idade avançada e sua mãe, Isabel, era estéril. Um dia, Zacarias, enquanto trabalhava no templo, recebeu a visita do anjo Gabriel, anunciando que sua mulher daria à luz a um filho, que deveria ser chamado João. O anjo disse também que João seria um homem justo e um profeta do reino de Deus. Contudo, Zacarias, incrédulo, duvidou da revelação do anjo que o castigou deixando-o mudo até o nascimento do menino. Então, no sexto mês da gestação de Isabel, Maria, mãe de Jesus, recebeu a revelação do mesmo anjo e concebeu Jesus do Espírito Santo.

Nesses tempos, Maria visitou sua prima e, entrando na casa de Zacarias e Isabel, saudou a mulher que sentiu João pulando em seu ventre e ficou repleta do Espírito Santo, exclamando: “Como posso merecer que a mãe do meu Senhor venha me visitar?”.

Após o término da gravidez, Isabel deu à luz a seu filho, que foi criado segundo as leis de Deus. Com o crescimento do menino, tornava-se um líder popular que reunia em torno de si muitas pessoas. Pregava no deserto da Judéia, anunciava a chegada do Messias e batizava no rio Jordão. Muitos indagavam se ele seria o próprio Messias, mas João negava e pregava a conversão, afirmando que o reino dos céus estava próximo.

Então, Jesus, tempo após seu nascimento, foi ao encontro de João na Galileia a fim de ser batizado, mas João dizia: “Sou eu que devo ser batizado por ti, e tu vens a mim?”. Porém Jesus insistiu e João assim fez. Entretanto, ao sair da água, o céu se abriu e Jesus viu o Espírito de Deus descer em forma de pomba e pousar sobre as águas. Do céu veio uma voz, dizendo: “Este é o meu filho amado, que muito me agrada”.

Contudo, após certo tempo, Herodes, governador da época, ordenou que seus oficiais prendessem João Batista, acusando-o de liderar uma revolução. Assim, ele foi mantido em cativeiro durante alguns dias. No aniversário do governador, a filha de sua esposa Herodíades, Salomé, dançou para seu padrasto e o agradou. Assim, Herodes disse a menina que poderia escolher o que quisesse que ele lhe daria. Salomé, pressionada pela mãe que visava assumir o trono, pediu a ele que lhe desse a cabeça de João Batista em um prato. Herodes assim fez.

João morreu no ano 27 d.C. e seu dia é celebrado em 24 de junho, seis meses antes do Natal, e o seu martírio é lembrado no dia 29 de agosto. É um dos poucos santos que tem seu dia celebrado no dia de seu nascimento, fazendo parte das festas juninas junto de Santo Antônio, São Pedro e São Paulo.

São João, rogai por nós!

Por Marina Silva Ferreira

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp